O furacão Irma "quebrou uma série de recordes" e já é considerado o mais forte do Atlântico fora do Caribe e golfo do México, segundo a ONU.

O furacão teve ventos que ultrapassaram os 297 km/h durante 37 horas e deixou um rastro de destruição e mortes por onde passou.

Créditos: Divulgação/Nasa

Furacão Irma sobre o Caribe, o mais forte registrado no oceano Atlântico

O Irma foi um dos três furacões ativos semana passada na região da bacia atlântica, juntamente com o José e o Cátia, numa "situação rara, mas não sem precedentes". O mesmo ocorreu em 1967, 1980, 1995, 1998 e 2010.

Entenda quais são as cinco categorias de furacão e quais os danos possíveis em cada uma:

Categoria 1
Velocidade dos ventos: 119 km/h a 155 km/h

Pode causar danos em casas e derrubar árvores. Áreas baixas podem sofrer inundações.

Categoria 2
Velocidade dos ventos: 154 km/h a 177 km/h

Causa danos de médio porte. Arranca árvores, telhados de casas, portas e pode estourar janelas.

Categoria 3
Velocidade dos ventos: 178 km/h a 209 km/h

Pode gerar fortes tempestades, provocando grandes estragos e mortes em áreas muito povoadas. Nesta categoria, o Centro Nacional de Furacões de Miami já recomenda a retirada de todas as pessoas pode onde o furacão passar.

Categoria 4
Velocidade dos ventos: 210 km/h a 249 km/h

Casas e até mesmo prédios podem ser derrubados pelos ventos, além do risco de grandes enchentes. Há necessidade de retirada em larga escala de pessoas que morem na região afetada.

Categoria 5
Velocidade dos ventos: superior a 249 km/h

Fenômeno considerado raro pelos metereologistas. Pode destruir tudo que estiver no seu caminho. Áreas costeiras podem ser invadidas em até 10 km pelo mar. A retirada de todas as pessoas que morem perto da costa é obrigatória.

Com informações da Agência Brasil e da Zero Hora