O Canadá se tornou o primeiro país do G20 --entidade que agrupa as 20 maiores potências do planeta-- a liberar o consumo e a produção de maconha. O projeto de lei foi aprovado na última terça-feira (19) pelo Senado canadense por 52 votos a favor, 29 contra e duas abstenções.

A liberação era uma promessa de campanha do primeiro-ministro canadense Justin Trudeau.

Créditos: UrosPoteko/iStock

O consumo da maconha deve estar liberado no Canadá antes do final do verão no hemisfério Norte

A legalização já havia sido aprovada no início do mês, mas o projeto tramitou entre as duas casas do Parlamento canadense.

Com a aprovação, o Canadá se torna o segundo país do mundo a liberar a maconha para uso recreativo. O primeiro foi o Uruguai, em 2011.

De acordo com a rede de televisão canadense CBC, o governo local espera tornar a maconha "completamente legal" em até 12 semanas.

Embora não haja uma data definida para quando a maconha poderá estar disponível para a venda, a aprovação do Senado foi a passagem de um dos obstáculos mais significativos - muitos senadores conservadores se opõem ao projeto de lei.

Na leia aprovado pelo Senado, apenas maiores de 21 anos poderão ter acesso à substância, já que é sabido que os riscos do uso abaixo dessa idade são expressivos.

Para Guilherme Messas, professor e coordenador do Programa de Duplo Diagnóstico em Álcool e Outras Drogas da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, do ponto de vista de saúde pública, é um modelo ousado, cujos resultados são incertos e podem levar muitos anos para uma avaliação quanto à sua validade.

O Canadá é um país com elevadas taxas de uso de cannabis e essa mudança legislativa tem o objetivo de organizar essa tradição cultural e reduzir a criminalização e o tráfico.

Com informações da Agência Brasil e do G1